segunda-feira, 25 de julho de 2011

Ronronar

O ronrom, ronrono, ou ronronar, é o ruído contínuo produzido pelos felinos e que faz parte de sua comunicação.
O gato geralmente ronrona quando se encontra em um estado de calma, prazer ou satisfação. Porém eles podem ronronar quando estão se sentindo angustiados, aflitos ou se estão com dor. 

Para mim, ronronar é ter a certeza de que o meu amor está do meu lado, ainda. 
O que me reserva amanhã? É incerto, totalmente incerto, principalmente quando sua gata chega na crítica idade de 13 anos, chegando perto dos 14 anos e com uma ferida que não cicatriza. Uma gatinha que só dorme, come e consegue dar uma voltinha na rua.
Além disso, é ter uma bolinha de pelos grudada em mim nos dias mais frios do inverno ou do outro lado da cama nos dias quentes, quando o ventilador refresca todo mundo.
Claro que também tem o ronronar novinho, de quase 3 anos de idade, cheio de vida e muita brincadeira pela frente. Sem falar do apetite! hehe
Mas a melhor coisa do ronronar é estar aqui no computador e ouvir aquele barulhinho lindo, que não pára, só aumenta, no menor carinho.

domingo, 27 de março de 2011

caminhar - cambalear - viver

Preciso voltar a minha infância.
Aí eu poderia reaprender a caminhar sozinha. Sem apoio, sem me escorar aqui e ali.
Caminhar sozinha, viver sozinha, sem precisar de outra pessoa pra me apoiar e eu continuar a minha caminhada.
Eu cambaleei por muitos anos, até que encontrei esse apoio. E quando me vejo na possibilidade de ter que cambalear de novo, eu me apavoro.
E não seria pra menos, por aí eu precisaria engatinhar, caminhar não tenho mais condições.

terça-feira, 8 de março de 2011

Pensamentos soltos.

Às vezes nem eu me compreendo. Como o texto...
 
Fico me perdendo no mundo imaginário que há tanto tempo habita minha mente.
Me perco nas minhas próprias ilusões, no mundo que não existe longe da minha cabeça.
Me perco em sonhos impossível, imagino momentos que não existiram e nunca existirão.
O passado ficou pra trás, ele não vai mudar o futuro, não esse que eu sonho.
Por que eu simplesmente não esqueço? Porra, porque não viver o que eu tenho aqui, agora!!! Tenho a felicidade ao meu alcance, mas eu fico me machucando nessas ilusões, nestes sonhos loucos.
Se era pra ser diferente, que tivesse feito quando dava. Não adianta nada querer mudar o que já passou, o que já morreu.
Morreu. Acabou. Se foi.
Mas dói. Dói pensar que podia ter sido diferente. Dói imaginar que podia ter seguido outro caminho. Não exatamente o que eu sonho, mas um pouco diferente.
Sério, não precisava ser igual as minhas ilusões, mas só de pensar que a pessoa poderia estar viva, passando por mim de moto e abanando ou simplesmente dando OI no MSN... isso já estaria tão bom.
Essa culpa não doeria a cada anoitecer. Essa culpa não me impossibilitaria de sorrir sem dor. Essa culpa não me mataria aos poucos.
Deveria existir um outro jeito de te sentir por perto, sem ser o seu espírito que me ronda, que me assusta, que me culpa.
Aliás, eu viajo e penso que me culpa. Não sei como você se sentia, e isso é pior de pensar.
É horrível pensar em qualquer coisa, nada me consola. Acho que nada poderia me deixar em paz. Penso em um sonho com você, mas eu poderia pensar que seria mais uma ilusão idiota minha, meu subconsciente me dizendo o que eu queria ouvir.
O que eu faço se não posso mudar o que já passou? Se não posso te trazer de volta à vida? O que posso fazer, alguém pode me dar uma luz?

Acho que me sobra ficar com essa culpa pra sempre, me destruindo aos poucos, levando minha alegria, minha felicidade. E pior, destruindo outra vida...
Eu não quero mais isso, como faço pra descer??? É confuso d+. É muita loucura pra uma cabeça só. É muita culpa pra um só coração, uma só vida.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Sentimentos estranhos.

Ser feliz, sentir-se bem... É tão estranho.
Pareço estar cometendo algum crime, algum pecado tão grande. Ser feliz? Me sentir bem? Isso parece uma loucura tão grande que me deixa confusa.
Parece que esses sentimentos bons que eu sinto não fazem parte de mim. Parecem distantes, de outro mundo ou de outra pessoa.
Ficaram longe de mim por tanto tempo que não é normal. Estar tudo tão bem, nada de brigas, nada de lágrimas, sentimentos de felicidade total, é simplesmente loucura.
E às vezes chega a dar medo. Porque isso tudo pode desmoronar a qualquer momento e tudo voltar a ser como sempre foi.
Às vezes parece que felicidade é algo que jamais deveria existir no meu dia-a-dia. E quando está tudo assim, eu entro em pânico.
E se tudo for passageiro? Se a tristeza, a angustia, o medo, as lágrimas voltarem? Eu agüento? Eu deixo tudo isso de lado e me agarro na felicidade e tudo dá certo?
É incrível, mas ser feliz me deixa com medo, me deixa desnorteada.
O que eu faço?
Vamos deixar assim, e quando tudo desmoronar, eu me agarro no raminho de felicidade que existe e sigo em frente.
Não vou deixar isso morrer, quero seguir assim, mesmo que seja confuso.