segunda-feira, 22 de outubro de 2012

temporal

...e aí vem a vida, disfarçada de temporal e destrói tudo, com uma ventania danada carrega os sonhos, os planos e a esperança para o outro lado do universo. E como em todo temporal, você precisa recomeçar, reerguer sua vida, seus desejos, seu futuro.
Como acontecem em temporais, você precisa de ajuda para reconstruir o que foi perdido. Mas, totalmente, diferente de um temporal, quando tudo se destrói dentro de nós, não há regras, não há ajuda, é você por si mesmo(a) e ponto final.


Escrito em 19/setembro/2012.

sentir - sentimento - sentido (sem)

Me sinto como se estivesse perdida, em uma outra dimensão, boiando em águas turbulentas, que me leva onde tiver que me levar, que seja em qualquer lugar.
Um lugar distante, longe de tudo e de todos, longe principalmente da felicidade.
Sendo a felicidade uma coisa já distante, algo totalmente intocável, simplesmente algo que não me pertence, que eu não tenho direito.

Escrito dia 05/outubro/2012.

Planejamento sem execução

Quando um jovem morre, principalmente se for nosso conhecido e de morte trágica, seja acidente ou uma doença sem explicação, todos paramos para repensar em certas atitudes.
Passamos a querer modificar nosso jeito de viver e pensar, planejamos que vamos aproveitar mais os nossos dias, sem nos preocuparmos tanto com futilidades, com coisas materiais. Que vamos sair por aí, distribuindo felicidade, sorrisos e abraços. Que vamos ajudar o próximo, e que vamos tratar de ser feliz.
Que deixaremos para trás o ressentimento, o ódio, a tristeza e tudo o que nos faz mal. Planejamos amar mais, sorrir mais, dizer à todos os que são importantes para nós que os amamos, adoramos e não conseguíamos viver sem eles. E que, quando partirmos, não queremos tristeza, queremos que apenas se lembrem do nosso sorriso, das coisas boas que fizemos e dos momentos alegres que passamos juntos.
O problema não está em pensar em tudo isso, em fazer todo esse planejamento, isso é totalmente saudável e esperado, nesse momento. O nosso erro está em apenas planejar, não colocamos em prática, não executamos metade destas promessas. Deixamos passar até a próxima morte, até a próxima tragédia tocar nossas vidas. E aí pensamos em tudo isso de novo, e de novo, até que a tragédia e a morte bata na nossa porta e nos leve, deixando outras pessoas pensando em tudo o que nós chegamos a planejar e deixamos esquecidos em alguma gaveta da nossa mente.

Escrito dia 06/setembro/2012.