quinta-feira, 19 de maio de 2016

Leitura

(...) Pediu que imaginasse ter ganhado um concurso, cujo prêmio era o seguinte: a cada mahã um banco abriria uma conta para ele, com um crédito de 86.400 dólares. Porém, como todo jogo tem regras, aquele tinha duas.
- A primeira é que tudo que não tiver gasto no dia mesmo, será retirado à noite. Não tem como trapacear, não pode transferir o dinheiro para outra conta, tem que gastar tudo e, na manhã seguinte, o banco abre uma nova conta, disponibilizando novamente 86.400 dólares para aquele dia. Segunda regra: o banco pode interromper esse jogo à hora que quiser. A qualquer momento pode avisar que acabou, que fecha a conta e não abrirá outra. O que você faira?
Ele não havia entendido direito.
- No entanto, é simples, trata-se de um jogo. Toda manhã, quando acordar, você ganha 86.400 dólares, tendo como única obrigação gastá-los durante o dia, com o saldo não utilizado sendo pego de volta quando você se deitar, mas esse dom do céu, ou jogo, pode terminar a qualquer momento, deu para entender? A pergunta é: o que faria se dessem isso pra você?
Ele imediatamente respondeu que gastaria cada dólar com coisas que gostasse e ofereceria uma quantidade de presentes às pessoas queridas, de forma a gastar cada centavo oferecido pelo "banco mágico", levando felicidade à própria vida e à das pessoas à sua volta...
- E inclusive pessoas que não conheço, pois não acho que pudesse gastar comigo e com quem amo 86.400 dólares todo dia. Mas aonde você quer chegar?
Ela respondeu:
- Esse banco mágico está à disposição de todos nós, é o tempo! A cornucópia dos segundos que se vão! A cada manhã, quando acordamos, temos um crédito de 86.400 segundos de vida para aquele dia, e quando dormimos, à noite, não há reposição. O que não se viveu naquele dia se perde. O dia de ontem já passou. Diariamente a mágica recomeça e temos um novo crédito de 86.400 segundos de vida, mas devemos nos virar com essa regra incontornável: o banco pode fechar nossa conta a qualquer momento, sem aviso prévio algum. De fato, a qualquer momento a vida pode ter fim. E então, o que fazemos com nossos 86.400 segundos cotidianos? Não acha os segundos de vida mais importantes do que os dólares? (...)

Trecho retirado do livro: E se fosse verdade...
Do escritor Marc Levy
Páginas 205 e 206

O Jardim e as Borboletas

{por Maria Lima (Mais nova FM)}

O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você”. Poesia imortal de Mário Quintana que se aplica ao mundo dos negócios. Este texto é dedicado para quem procura melhorar de vida, seja através de um novo emprego seja através de uma promoção na empresa onde está. Vejo pessoas ansiosas em progredir e angustiadas com a falta de uma oportunidade. Se já estão empregadas, não enxergam na sua empresa qualquer chance de melhoria. Se estiverem desempregadas, maior ainda é a inquietude, pois não conseguem encontrar um novo local para trabalhar. Ansiedade, angústia e inquietude, em dose exagerada, podem matar um profissional. Pessoas tristes, enraivecidas, envelhecidas pelo rancor e pela ambição e que não conseguem prosperar. Todos os dias falam mal da organização onde trabalham, descobrem mais e mais defeitos em seus chefes e invejam com alguma dose de maldade colegas ou conhecidos que evoluem. Sentem-se injustiçadas e acreditam que não são valorizadas adequadamente. Pessoas outrora alegres e sadias tornam-se amargas e não sabem que estão doentes. Os dias são cinzentos...

Supondo que tudo o que estes profissionais pensem e digam sobre empresas e sobre seus chefes e colegas seja absolutamente verdadeiro, mesmo assim eles estão no caminho completamente errado. Para acertar suas vidas, basta seguir o conselho de Mário Quintana: cuide de si próprio, esqueça os erros dos outros, esqueça a miopia dos seus chefes e o descaso de sua empresa. Esqueça que o mundo pode estar sendo injusto com você. Enquanto você pensa em todas estas ruindades e erros do mundo, você perde seu tempo, você esquece o fundamental: cuidar de si próprio como se cuidasse de um jardim. Cuide de sua aparência, de sua relação familiar, de sua religião, de sua saúde e de seu conhecimento profissional. Estude muito e trabalhe mais ainda. Mesmo injustiçado e ganhando pouco, mesmo até por vezes humilhado, trabalhe como um leão. Prepare-se. Você é um tolo se acha que trabalha para “os outros” ou “para o patrão”. Você sempre trabalhou e sempre trabalhará somente para você mesmo. Quando você faz corpo mole ou trabalha de má vontade, quando você se irrita e odeia seu chefe, você mata a si próprio. Deixe todos eles “pra lá”. Não deixe que eles ditem como você se comporta. Prepare-se. Doendo ou não, prepare-se. Pense apenas em ser um profissional melhor. Não é conselho de autoajuda ou poesia. É apenas prática. Sabe o que vai acontecer se você se preparar ao invés de desperdiçar seu tempo com raivas, críticas e fofocas bobas? Você será o jardim bem cuidado de que fala Mário Quintana. E, acredite, por favor, um jardim bem cuidado não fica sem as borboletas mais lindas. O mundo pode ser injusto, mas não é burro. Tudo o que vale a pena tem dono. Nunca vi, repare bem, nunca vi em quase trinta anos de trabalho, alguém bem preparado não progredir. Se existir esta situação, ela é a absoluta exceção, aquela que justifica a regra. E a regra é: prepare-se, prepare-se, prepare-se. Fale com gente mais inteligente do que você e caso não tenha dinheiro para fazer cursos ou para comprar livros, arranje. Lave chão, durma 4 horas por dia, mas arranje dinheiro para se preparar. Acha que não aguenta? Vai morrer? Pois saiba que é melhor morrer batalhando do que viver reclamando e fazendo fila no batalhão dos frustrados.

(Paulo Ricardo Mubarack)

Quero

Quero a calmaria que habita minha alma, quero paz, quero amor para mim. Vindo de mim. Vindo de dentro para dentro.
Quero sorrisos repletos de pura alegria.
Quero sorrisos sinceros. 
Quero alegria completa, não quero ser pela metade.
Quero ser inteira. Totalmente eu. Totalmente minha. Totalmente meu amor.
Quero ser amiga de mim. Quero olhar para aquele espelho e refletir quem sou eu.
Quero acreditar em quem sou. Quero ver quem eu sou.
Eu quero. Eu posso. Eu consigo.
Me baseio nestas palavras para seguir. 
Seguir meu caminho, meu rumo. Em busca da mulher, da bailarina, da Deusa, da loba. De mim.

21 de Abril de 2016


E de repente eu engordei.
Foi ansiedade na finaleira da faculdade.
Foi falta de preocupação com o meu corpo.
Foram vários fatores.
Os quilogramas a mais não têm me tirado o sono, a fome (principalmente! hahaha) e muito menos a vontade de viver!
Não tenho cabelo "bom", ele é bastante revoltado e tem vontade própria.
Também não liga para o que vão pensar dele. Parecido com a dona, sabe?!
Não importo de errar, de pagar "mico" e muito menos de rir na hora, vamos dizer assim, imprópria.
Estou mais preocupada em ser feliz.
Em viver feliz.
Em viver momento únicos, agradáveis e de muito amor!

Passei por algumas superações nos últimos meses.
Venci medos, muitos medos.
E tenho refletido sobre minhas atitudes.
Mudado alguns pensamentos.
Repensado sobre vários pontos na minha vida.
E sabem, não é o meu cabelo "revoltado" e nem os quilogramas a mais que estão na minha lista de mudanças... são questões da minha alma e do meu coração.
E isso está bastando para me fazer feliz!